O "rosto " de Maria no Carmelo

Maria é invocada como “Rainha e esplendor do Carmelo”. Também no Carmelo, Maria é inseparável de seu Filho Jesus; Maria é a “perfeita adoradora do dom de Deus”.

Os primeiros monges que se estabeleceram na montanha do Carmelo, construíram uma pequena e bela igreja dedicada ao culto de Nossa Senhora, vendo na Virgem o perfeito modelo de vida contemplativa, de intimidade com Deus. Eles vieram para a solidão do monte para “ver” Deus...com Maria, aquela que eles acabaram por invocar como a “irmã”, de tal modo viviam familiarmente unidos a ela. Vestir o hábito da Virgem do Carmelo, é escolher colocar-se no coração de Maria, para viver no coração de Deus.

A beata carmelita Elizabeth da Trindade diz assim, em uma carta a uma amiga candidata ao Carmelo: “...Ame a oração e o silêncio, que são a essência da nossa Regra; peça à Rainha do Carmelo, nossa Mãe, que lhe ensine a adorar Jesus, no profundo recolhimento...porque amar, é imitar Maria”. “Porque nossa Mãe, Maria deseja ser nossa Mestra, levando-nos pela mão. Ela está sempre perto de nós, para reviver conosco os Mistérios de seu Filho, este Jesus que Ela deseja ver nascer de novo, em nossos corações e brilhar sempre em nossas vidas. A Ordem do Carmelo permanece fiel à sua missão na Igreja, de se enraizar na graça das origens, para o “serviço perpetuo do Senhor Jesus Cristo e de Sua Mãe, a Santa Virgem Maria”. O Carmelo nos mostra Maria como um modelo imitável, de recolhimento e de silêncio, permitindo-nos unificar o coração pela Palavra de Deus, tornando-nos por sua ação da Divina Graça, pouco a pouco mais transparentes e vulneráveis a este Deus, que nos “persegue” com o Seu Amor Eterno, pedindo-nos tão somente uma resposta fiel e amorosa de nossa vida, ofertada e aberta ao sopro do Espírito Santo.