Os Santos

"Os santos não são uma exígua casta de eleitos, mas uma multidão inumerável [...]. Nessa multidão encontram-se não somente os santos oficialmente reconhecidos, mas os batizados de todas as épocas e nações, que procuraram cumprir com amor e fidelidade a vontade divina. De uma grande parte deles não conhecemos os rostos e nem sequer os nomes, mas com os olhos da fé vemos-los resplandecer, como astros repletos de glória, no fimamento de Deus.

O primeiro gesto divino,revelado e concretizado em Cristo, é a eleição dos que cree, fruto de uma iniciativa livre e gratuita de Deus. [...] Comove-me ao meditar esta verdade: desde toda eternidade estamos diante do olhar de Deus e Ele decidiu salvar-nos. E esta chamada tem como conteúdo a nossa santidade.

Santidade é participação na pureza do Ser divino. Mas sabemos que Deus é caridade. Por isso, participar da pureza divina significa participar da caridade de Deus, conformar-nos com Deus que é caridade: Deus é amor (1 Jo 4, 8.16): esta é a verdade reconfortante que nos faz compreender também que a "santidade" não é uma realidade distante da nossa vida, mas que, na medida em que podemos tornar-nos pessoas que amam a Deus, entramos no mistério da santidade.

[...] Contemplando o exemplo luminoso dos santos, despertar em nós o grande desejo de ser como os santos, felizes por viver próximos de Deus, na sua luz, na grande família dos amigos de Deus".  (Bento XVI)