​​Santa Teresinha

e os

sacerdotes

Desde sua infância Santa Teresinha teve algum contato com os padres. Em diversos fatos relatados no Manuscrito A ela usa expressões nas quais manifesta sentir-se honrada por ser objeto de atenção da parte de algum sacerdote. Vejamos algumas. “Pe. Ducellier veio visitar-nos. (...) ele entrou na cozinha para me visitar e olhou minhas lições, fiquei orgulhosa por receber meu confessor (...).” “Escrevera ao bom Pe Pichon para me recomendar às suas orações (...). O que me causou mais prazer em sua carta foi esta frase : “Amanhã subirei ao Sagrado Altar, e a intenção será por vós (...)” “ Pe. Domin estava muito satisfeito comigo (quando não chorava),  e chamava-me sua doutorazinha (...).” Lembremos ainda toda a conversa com o bispo, na qual pedia sua entrada no Carmelo aos 15 anos. Depois toda atenção ao seu comportamento da parte de Monsenhor Révérony durante a peregrinação a Roma, mais ainda a atenção dada a ela pelo Santo Padre Leão XIII. Mais à frente por ocasião de sua tomada de hábito todo o carinho que lhe demonstrou o Bispo: “a todos dizia que eu era a sua filhinha”. E ainda: “Lembro-me de modo particular, sua visita (do Bispo) por ocasião de centenário de nosso Pai São João da Cruz. Tomou-me a cabeça entre as mãos e fez-me mil carícias de toda a espécie. Nunca fora eu objeto de tanta honra !”

 Por que Santa Teresinha sente-se tão honrada quando os ministros ordenados se ocupam dela ? O inverso também acontece, por ocasião da tomada de véu: “ Foi um dia todo velado de lágrimas... Papai não estava presente para abençoar sua Rainha...O padre estava no Canadá... O Sr. Bispo que devia vir e jantar em casa de Titio, encontrava-se doente e não veio também.” A ausência destes causa-lhe imensa tristeza. Então perguntemo-nos: O que significava um sacerdote para Santa Teresinha ?

            Referindo-se aos diretores espirituais ela os compara a “ espelhos fiéis que refletem Jesus nas almas.” Ao fazer no Carmelo sua primeira confissão geral diz que receava ter manchado a veste de seu Batismo, mas sente-se consolada ao ouvir “ a declaração, saída da boca de um diretor(...) me parecia proferida pela boca do próprio Jesus (...).” Acima de tudo para Santa Teresinha o sacerdote é o ministro da Eucaristia. Assim se expressa ao dizer que sentia a vocação de sacerdote: “ Com que amor, ó meu Jesus, não te carregaria nas mãos, quando à minha voz descesses do céu... Com que amor te não daria às almas !.... Mas que fazer ? Com todo o desejo de ser sacerdote, admiro e invejo a humildade de São Francisco de Assis, sinto a vocação de imitá-lo, quando recusou a sublime dignidade do sacerdócio.”   

            Contudo a sua profunda consciência da “sublime dignidade do sacerdócio “ não a faz ignorar o aspecto menos sublime da vida dos padres e neste sentido empenha sua vida. Comentando sua viagem a Roma destaca duas grandes experiências. A primeira, a quem se interessar por saber qual é, leia Ms A 56 . “ A segunda experiência que colhi, refere-se aos sacerdotes. Por não ter jamais vivido em contado mais próximo com eles, não dispunha de elementos para compreender a finalidade principal da reforma do Carmelo. Encantava-me o rezar pelos pecadores mas, rezar pelas almas de sacerdotes, que julgava mais límpidas do que o cristal, isso me parecia coisa de espantar !... Oh ! na Itália vim a compreender minha vocação, e não era longe demais para ir buscar tão útil conhecimento...Pelo espaço de um mês, vivi com muitos sacerdotes santos , e verifiquei que, se a sua sublime dignidade os coloca acima dos anjos, nem por isso deixam de ser homens, fracos e defectíveis... Se sacerdotes santos, a quem Jesus em seu Evangelho chama o sal da terra, mostram por seu procedimento, que tem extrema necessidade de oração, o que dizer dos tíbios ? ” Vale a pena continuar a ler o restante deste texto da Santa. Páginas à frente  Sta. Teresinha revela qual era o objetivo que perseguia : “ (...) declarei-o aos pés de Jesus Hóstia no exame que precedeu minha profissão :  Vim para salvar as almas, e principalmente para rezar pelos sacerdotes.”

E no fim do Manuscrito C manifestando a alegria pelos dois missionários que lhe foram dados por irmãos, para que ela rezasse por eles, conclui: “ Espero com a graça de Deus, ser útil a mais de dois missionários, e não poderia esquecer de rezar por todos eles, sem deixar de lado os simples sacerdotes, cuja missão é algumas vezes tão árdua de cumprir como a dos Apóstolos, que pregam aos infiéis. Afinal, quero ser filha da Igreja, como era nossa Madre Santa Teresa, e rezar pelas intenções de nosso Santo Padre o Papa, por saber que suas intenções abarcam o universo. Eis aí o objetivo fundamental de minha vida.”

Aprendamos da Santa o amor aos sacerdotes que se expressa no respeito e na constante oração por eles.  Santa Teresinha rogai para que nossos padres sejam santos ! 

.