“Iluminadas pelo testemunho de Santa Teresa do Menino Jesus, padroeira das Missões, todos os Carmelos procurarão fomentar o espírito missionário, que deve animar sua vida contemplativa. De maneira especial, rezarão pelos operários do Evangelho e pelo aumento das vocações, pela unidade dos cristãos e pela evangelização dos povos, a fim de que todos se abram à mensagem de Cristo” (Const 127)

“Todos os Mosteiros procurarão inserir-se plenamente na própria Igreja particular, sabendo que fazem parte da família diocesana e que é seu dever oferecer nela o peculiar testemunho de vida contemplativa do Carmelo Teresiano. Esta comunhão com a Igreja particular manifestar-se-á, antes de tudo, na estima e obediência filial ao próprio Bispo, na solicitude pelos problemas e iniciativas da diocese, e na oração por todos os seus membros, especialmente pelos Sacerdotes.

 

                                                                                     

"Apostolado"


 

“A vocação das Carmelitas é essencialmente eclesial e apostólica. O apostolado a que Santa Teresa quis se dedicassem suas filhas é puramente contemplativo e consiste na oração e na imolação pela Igreja, excluindo qualquer forma de apostolado ativo. Unidas à intercessão e ao sacrifício de Cristo, oferecendo-se toda juntas à Deus, completam aquilo que falta à paixão do Senhor em favor do Seu Corpo Místico”. (Const 126)

No estilo do Carmelo Teresiano, as Irmãs oferecerão a todos uma acolhida fraterna e um testemunho feliz de sua própria vida, difundindo o amor à oração”. (Const 128)

“A contribuição concreta das Monjas para a evangelização, o ecumenismo, o crescimento do Reino de Deus nas diversas culturas é de ordem eminentemente espiritual, como alma e fermento das iniciativas apostólicas, deixando a participação ativa nas mesmas para aqueles a quem compete por vocação”.  (VS 7)

 

"É verdadeiramente mais precioso aos olhos do Senhor e de maior proveito para a Igreja um ato de amor puro do que todas as outras obras juntas” (São João da Cruz, Cântico 29)